Viagens

Porque a Rota 66 ficou famosa?

O PLANO

Inaugurada em 1938, a Rota 66 fazia parte do plano nacional de autoestradas dos EUA, que estabeleceu 96 rodovias. As rotas norte-sul seriam ímpares e as leste-oeste, pares. A numeração cresce nesses mesmos sentidos, ou seja, a rota 1 começa no extremo leste e a 98 é a última, mais ao sul.

O traçado original da 66 tinha cerca de 4 mil km de extensão, cruzando quase 200 cidades e oito estados americanos, indo de Chicago, em Illinois, até Santa Monica, na Califórnia. O exato meio é identificado pela placa “Mid Point”. De lá, são cerca de 1.830 km até cada uma dessas duas cidades.

Hoje, muitos trechos da rota foram absorvidos por vias expressas. Ainda há pedaços originais transitáveis, mas que não dão em lugar nenhum. Centenas de moteis ainda permanecem à sua beira; alguns ainda em funcionamento, e outros apenas com a fachada preservada para os turistas fotografarem.

1) PONTO DE PARTIDA

O passeio começa no estado de Illinois. Mas a placa de marco zero mudou de lugar ao longo da história. Hoje, está na Adam Street com a Michigan Avenue, em Chicago. Neste trecho, o roteiro turístico inclui o Eagle Hotel, primeiro motel de estrada, inaugurado antes da rota, e o Museu 66, um dos mais completos sobre a via.

2) ROTEIRO DE CINEMA

rota ficou famosa graças a Easy Rider (1969). No filme, dois amigos viajam de moto, de Los Angeles a New Orleans, para a festa de Mardi Gras. Mas outros sucessos também se passaram lá, como Forrest Gump (1994) e Golpe de Mestre (1973) e a série Route 66 (1960).

Ela tem outras ligações com a cultura cinematográfica: um drive-in em Missouri. No 66 Drive-in Theatre, é possível assistir a um filme a céu aberto, de dentro do carro. No mesmo estado também está o monumento mais alto dos EUA: o Gateway Arch, em Saint Louis, com 192 m de altura.

A estrada também foi imortalizada pelo maior escritor da geração beat, Jack Kerouac. Ele passou sete anos percorrendo a via e escrevendo On the Road. O livro virou filme, dirigido pelo brasileiro Walter Salles, em 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *